segunda-feira, 7 de novembro de 2016


PEC 241 – PARTE 6


Meus amigos, quando a crise econômica atinge o setor privado, o que ocorre? Ele altera seu curso rapidamente se emergências surgem.

Já o setor público, mesmo com a crise econômica, vive de rotina e hierarquia, com privilégios garantidos independente de contingências.




 “Rechaçar pura e simplesmente a PEC 241, que visa a estabelecer uma trava constitucional nos gastos públicos, é coisa de quem está perdendo privilégios, tem muito a perder com ela ou simplesmente não sabe o que está dizendo.”

Eis a razão da PEC 241, que visa a estabelecer uma trava constitucional. Ela não irá cortar recursos. Apenas proíbe corrigir os gastos acima da inflação. Ponto.

Uma vez adotada, cria-se estabilidade fiscal para atrair investimentos e fazer a economia crescer. Com isso, crescem os empregos, a renda das pessoas e a possibilidade de pagarem suas dívidas.

Não entendo o porquê de vozes contrárias a ela. Tem gente que não sabe nem quer saber como a economia e as coisas realmente funcionam. Não é hora de defender regalias e interesses pessoais.

Nenhum gasto social será extinto ou congelado.  Apenas não poderá aumentar mais que a inflação.

A PEC 241 está sendo proposta por pessoas que sonham com um país melhor.

Por outro lado, rechaçá-la, pura e simplesmente, é coisa de quem está perdendo privilégios, tem muito a perder com ela ou simplesmente não sabe o que está dizendo.

Por: Antonio Bulhões
Deputado Federal / PRB-SP



Nenhum comentário:

Postar um comentário