sexta-feira, 3 de junho de 2016

MUITO TRABALHO A FAZER

Na semana passada, o Congresso aprovou a nova meta fiscal do Brasil. O novo governo enviou ao Legislativo uma proposta, refeita pela nova equipe econômica, que aponta para um déficit fiscal de 170 bilhões de reais nas contas públicas.


“Esperamos do novo governo prudência com a indústria, com o comércio e com os serviços do Brasil, pois é a eficiência e a confiança deles, que permitem aos mais de 200 milhões de brasileiros fazerem planos para o futuro.”

É um número que não pode ser considerado como apenas um mero detalhe. É um número que indica mais que um prejuízo.

Ele mostra que o estrago feito na economia pelo antigo governo não estava sendo tratado com transparência. Tomando agora conhecimento dessa dívida, me parece que havia uma política de governo intencionada em adulterar os números da economia.

No começo deste ano, o antigo governo informava que haveria um superávit de 24 bilhões de reais. Mesmo que alguns fatores do cálculo tenham sido subestimados, como justificar a descoberta agora de um erro de mais de 194 bilhões reais?

Ainda penso em outro problema. No montante apresentado de 170 bilhões de reais de déficit não está contabilizado o prejuízo da Petrobrás. Ela, que já esteve estava entre as 10 maiores empresas do mundo. Hoje a dívida da Petrobrás é maior que o próprio patrimônio. Se fosse uma empresa comum estaria falida.

Todo esse prejuízo, em algum momento, será coberto pelos impostos que todo brasileiro paga. É reconhecer que, quando mesmo o mais pobre compra comida ou um remédio, no preço que paga está embutido o imposto.

Não se iludam! Nenhum governo fabrica dinheiro. O dinheiro do governo vem dos tributos, que todos são obrigados a pagar. Ou seja, o seu dinheiro pagará a corrupção na Petrobrás.

Toda essa crise traz um alerta. O quadro econômico se deteriorou rapidamente. Devemos ficar atentos, porque para destruir não se requer muito esforço e muito tempo. A destruição é rápida. Já começamos a ver consequência da política econômica anterior: o desemprego de 11 milhões de pessoas.

Espero ver prudência no novo governo. Prudência com a indústria, com o comércio e com os serviços do Brasil.

São esses setores que podem fazer o Brasil grande. Mas principalmente, porque é a eficiência e a confiança deles, que permitem aos mais de 200 milhões de brasileiros fazerem planos para o futuro.


Por: Antonio Bulhões

Deputado Federal / PRB-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário