sexta-feira, 22 de abril de 2016

VIOLÊNCIA

Meus amigos, é crescente a sensação de insegurança entre os brasileiros, tanto em sua vida pessoal, quanto em sua vida profissional.

Atingimos em quase todo o território nacional uma situação na qual a criminalidade impera com um sinistro quadro de assassinatos, sequestros, assaltos, roubos e tráfico de drogas e armas. A criminalidade no Brasil nunca alcançou dimensões tão alarmantes quanto nos dias de hoje!


“Para obter sucesso na construção de uma sociedade equilibrada é preciso a colaboração de instituições como a família, a escola e a igreja – fontes de divulgação dos princípios éticos e universais que promoverão a cultura da paz e da harmonia social.”

O Brasil é um dos países que detêm uma das maiores taxas de homicídios no mundo. Paralelamente, crimes contra o patrimônio também tiveram um aumento significativo.

Amigos, a urbanização acelerada, com o crescimento desenfreado das cidades, as fortes aspirações de consumo, dificuldades no mercado de trabalho, má distribuição de renda e conflitos de valores são algumas variáveis que concorrem para tanto. Ninguém mais se sente seguro! Não há lugar protegido! As pessoas são humilhadas e desrespeitadas de todos os modos!

Criou-se uma dicotomia nas propostas de política pública que visam à redução da criminalidade: as que sugerem que o crime deve ser combatido com ênfase na repressão policial e as que argumentam que o comportamento criminal é um fenômeno oriundo principalmente das condições econômicas e sociais adversas a que está sujeita parte considerável da população.

A família, base da sociedade, é o grande desafio! Se a base está contaminada, o Estado em si é violento.

Uma ordem duradoura de paz precisa de instituições que exprimam e consolidem os valores da paz. A instituição que corresponde, de modo mais imediato, à natureza do ser humano é a família. Só ela garante a continuidade e o futuro da sociedade.

Caros amigos, para que alcancemos sucesso na construção de um mundo de paz, superando o desafio aqui proposto, é preciso ainda a colaboração de outras instituições, como a escola e a Igreja, para que elas também sejam a fonte de divulgação de princípios éticos e universais.

Essas instituições, juntamente com a família, devem desempenhar, assim, um papel fundamental na promoção da cultura da paz e, consequentemente, da harmonia social.

Antonio Bulhões
Deputado Federal / PRB-SP


Nenhum comentário:

Postar um comentário