sexta-feira, 18 de setembro de 2015

VIOLÊNCIA CONTRA PROFESSORES

Nos últimos meses, a violência escolar tem estado bastante presente nas manchetes dos jornais. Um dia se noticia que um aluno pôs fogo no cabelo da professora. Outro dia, que uma servente foi pisoteada por estudantes.

Tumulto e vandalismo em escolas, contudo, com o acionamento da polícia, já têm sido tão constantes que temos a impressão de estarmos diante de matérias repetidas. Apesar disso, elas nunca deixam de provocar espanto e indignação em todos nós.


Que cidadãos estamos formando? Que rendimento se pode esperar de uma escola submetida a esse clima de conflito? Qual o ânimo de um professor para dar aulas sentindo-se cada vez mais ameaçado?

“Ou barramos a lamentável escalada da violência, ou o sistema educacional perderá sua razão de existir,condenando o País à barbárie!”

É preciso fazer essas indagações, meus amigos, pois a escola deve constituir, além de um centro de ensino e aprendizagem, um local onde o exemplo e a conscientização influenciam, de modo expressivo, a formação das novas gerações. No entanto, com a violência crescendo e, é claro, a tensão aumentando, pode-se esperar tudo, menos educação de qualidade.

Por longo tempo, nossas escolas estiveram praticamente livres da violência. Há alguns anos, começaram a ser atingidas de fora para dentro, por furtos ocorridos nas imediações, aproximação de traficantes de drogas, vandalismo em geral; hoje, vêem o conflito instaurado entre seus próprios muros.

Ou barramos essa triste escalada, ou o sistema educacional perderá sua razão de existir, e o País estará condenado à barbárie!

A qualidade de vida dos brasileiros só terá uma efetiva mudança de patamar quando conseguirmos realizar uma revolução na educação. Infelizmente, com agressões, ameaças de morte, quebra-quebras e tantas outras manifestações de violência dentro das escolas, isso parece ainda um sonho muito distante.

É preciso que a sociedade reaja, antes que seja tarde.  E que as famílias não deixem de cumprir a sua função educativa, delegando-a simplesmente às escolas. Afinal, o respeito ao próximo, a solidariedade e a tolerância são alguns dos valores que devem ser ensinados, antes de qualquer lugar, nos próprios lares.

Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sexta-feira, 18 de setembro de 2015.



Nenhum comentário:

Postar um comentário