quarta-feira, 30 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: quarta-feira, 30 de setembro de 2015.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: terça-feira, 29 de setembro de 2015.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: segunda-feira, 28 de setembro de 2015.

domingo, 27 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: domingo, 27 de setembro de 2015.

sábado, 26 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sábado, 26 de setembro de 2015.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sexta-feira, 25 de setembro de 2015.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quinta-feira, 24 de setembro de 2015.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quarta-feira, 23 de setembro de 2015.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça-feira, 22 de setembro de 2015.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: segunda-feira, 21 de setembro de 2015.

domingo, 20 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: domingo, 20 de setembro de 2015.

sábado, 19 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sábado, 19 de setembro de 2015.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

VIOLÊNCIA CONTRA PROFESSORES

Nos últimos meses, a violência escolar tem estado bastante presente nas manchetes dos jornais. Um dia se noticia que um aluno pôs fogo no cabelo da professora. Outro dia, que uma servente foi pisoteada por estudantes.

Tumulto e vandalismo em escolas, contudo, com o acionamento da polícia, já têm sido tão constantes que temos a impressão de estarmos diante de matérias repetidas. Apesar disso, elas nunca deixam de provocar espanto e indignação em todos nós.


Que cidadãos estamos formando? Que rendimento se pode esperar de uma escola submetida a esse clima de conflito? Qual o ânimo de um professor para dar aulas sentindo-se cada vez mais ameaçado?

“Ou barramos a lamentável escalada da violência, ou o sistema educacional perderá sua razão de existir,condenando o País à barbárie!”

É preciso fazer essas indagações, meus amigos, pois a escola deve constituir, além de um centro de ensino e aprendizagem, um local onde o exemplo e a conscientização influenciam, de modo expressivo, a formação das novas gerações. No entanto, com a violência crescendo e, é claro, a tensão aumentando, pode-se esperar tudo, menos educação de qualidade.

Por longo tempo, nossas escolas estiveram praticamente livres da violência. Há alguns anos, começaram a ser atingidas de fora para dentro, por furtos ocorridos nas imediações, aproximação de traficantes de drogas, vandalismo em geral; hoje, vêem o conflito instaurado entre seus próprios muros.

Ou barramos essa triste escalada, ou o sistema educacional perderá sua razão de existir, e o País estará condenado à barbárie!

A qualidade de vida dos brasileiros só terá uma efetiva mudança de patamar quando conseguirmos realizar uma revolução na educação. Infelizmente, com agressões, ameaças de morte, quebra-quebras e tantas outras manifestações de violência dentro das escolas, isso parece ainda um sonho muito distante.

É preciso que a sociedade reaja, antes que seja tarde.  E que as famílias não deixem de cumprir a sua função educativa, delegando-a simplesmente às escolas. Afinal, o respeito ao próximo, a solidariedade e a tolerância são alguns dos valores que devem ser ensinados, antes de qualquer lugar, nos próprios lares.

Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sexta-feira, 18 de setembro de 2015.



“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sexta-feira, 18 de setembro de 2015.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quinta-feira, 17 de setembro de 2015.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

GUERRA CONTA O TABAGISMO


Quero manifestar meu apoio a todas e quaisquer ações que possam restringir ainda mais o consumo de tabaco em nosso País. Pois tal consumo acaba levando à dependência, gerando, assim, um dos maiores problemas de saúde pública, em âmbito internacional, enfrentados no presente.

Estima-se que as mortes provocadas por doenças relacionadas ao vício de fumar, em todo o mundo, somem atualmente cerca de 4,83 milhões por ano e venham a atingir o alarmante número de 12 milhões em 2050. Entre essas doenças, relacionam-se câncer e enfisema nos pulmões, bronquite crônica, úlcera de estômago, arteriosclerose, infarto, hipertensão e derrame.


Para agravar a situação, tais males vitimam até não-fumantes — geralmente idosos e crianças — que vivem em ambientes poluídos por fumaça de cigarro. Nessa fumaça, estão contidas mais de 4 mil substâncias tóxicas, das quais 55 cancerígenas. Além do alcatrão e da nicotina, em si bastante prejudiciais à saúde, a amônia, a acetona, o arsênico, o cianeto, os inseticidas e outros venenos liberados pela queima de cigarros prejudicam a qualidade de vida.

No Brasil, há cerca de 22 milhões de fumantes e um número talvez ainda maior dos chamados fumantes passivos. Calcula-se que 200 mil desses morram a cada ano. É impossível avaliar o quanto tal perda representa para os familiares e amigos das vítimas em termos afetivos e psicológicos.

“Para nosso infortúnio, o cigarro brasileiro é o sexto mais barato do mundo. Enquanto isso, no SUS, gastamos R$ 338 milhões anualmente”.

Li recentemente um estudo feito por uma economista da Fundação Oswaldo Cruz, onde a conclusão do estudo é de que o cigarro provoca um prejuízo anual para o Sistema Único de Saúde de pelo menos R$ 338 milhões, o equivalente a 7,7% do custo de todas as internações e quimioterapias no País.

De qualquer maneira, já se pode afirmar que, além das vidas humanas, esse terrível vício, considerado doença crônica pela Organização Mundial de Saúde, consome recursos econômicos significativos, que poderiam ser mais bem empregados em prol de toda a sociedade.

Portanto, reitero meu apoio a todas as ações que visem restringir o consumo do tabaco no Brasil, sejam elas voltadas a estimular campanhas de esclarecimento sobre os malefícios desse consumo, ou a limitar ainda mais a propaganda da indústria cigarreira, ou a aumentar o preço do cigarro brasileiro — que para nosso infortúnio, é o sexto mais barato do mundo.


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quarta-feira, 16 de setembro de 2015.



“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quarta-feira, 16 de setembro de 2015.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça-feira, 15 de setembro de 2015.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: segunda-feira, 14 de setembro de 2015.

domingo, 13 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: domingo, 13 de setembro de 2015.

sábado, 12 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: sábado, 12 de setembro de 2015.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: sexta-feira, 11 de setembro de 2015.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: quinta-feira, 10 de setembro de 2015.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Erro na descriminalização das drogas.

O Supremo Tribunal Federal está julgando um recurso extraordinário, com repercussão geral reconhecida, que visa a declarar a incons-titucionalidade do art. 28 da Lei Antidrogas.

O art. 28 define como crime adquirir, guardar, ter em depósito, transportar ou trazer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar.

São três as penalidades previstas: advertência sobre os efeitos das drogas, prestação de serviços à comunidade, e medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo.
Na prática, o Supremo Tribunal pode vir a considerar legal, em todo o País, o porte de drogas para consumo.

Minha posição é veementemente contrária à descriminalização das drogas, por um conjunto de razões.


  
Em primeiro lugar, o consumo de drogas ilícitas, mesmo as consideradas “leves”, é extremamente perigoso para saúde.

Vamos aos fatos: a maconha causa dependência química; na fumaça da maconha encontram-se mais de cinquenta substâncias cancerígenas; diversos estudos demonstram uma associação do uso da maconha com distúrbios psiquiátricos, como ansiedade, psicose, piora do quadro de pessoas com transtorno bipolar, além de dificuldades de memória.


“Embora nossa lei discipline adequadamente a questão dos entorpecentes, falta sua aplicação efetiva, combate firme ao tráfico, campanhas de prevenção e tratamento dos dependentes.”


Voltemos nossa atenção novamente ao artigo contestado no Supremo Tribunal. As sanções previstas em lei, como já disse, são advertência, serviço comunitário e programas educativos.

Eu lhes pergunto: será que é ruim  informar o usuário  a respeito dos efeitos dessas substâncias? Será que é abominável que ele seja submetido à prestação de serviços à comunidade? Seria muito cruel incluí-lo em programa ou curso educativo sobre drogas?

A resposta, obviamente, é não. A lei brasileira disciplina adequadamente a questão dos entorpecentes. O que falta é sua aplicação efetiva, com o combate firme ao tráfico dessas substâncias, campanhas de prevenção e o tratamento dos dependentes químicos.

Precisamos, sim, considerar crime o uso de drogas ilícitas para inibir o consumo.

Estou certo de que os Ministros decidirão conforme o Direito pátrio e manterão a validade do dispositivo impugnado. Uma nação se faz com trabalho e engenho, com cidadãos saudáveis, aptos física e intelectualmente. Pensemos nisto.


Antonio Bulhões

Deputado Federal / PRB-SP



“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: quarta-feira, 09 de setembro de 2015.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: terça-feira, 08 de setembro de 2015.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: segunda-feira, 07 de setembro de 2015.

domingo, 6 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: domingo, 06 de setembro de 2015.

sábado, 5 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sábado, 05 de setembro de 2015.

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sexta-feira, 04 de setembro de 2015.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quinta-feira, 03 de setembro de 2015.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quarta-feira, 02 de setembro de 2015.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça-feira, 01 de setembro de 2015.