quinta-feira, 24 de abril de 2014

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SEM IDEOLOGIA DE GÊNERO!



Bulhões comemora aprovação do texto-base do PNE sem “Ideologia de Gênero”

Defensor dos valores da família e de uma educação de qualidade para todos os brasileiros, o deputado republicano Antonio Bulhões (PRB/SP) se destacou como um dos parlamentares mais atuantes na comissão especial que trata o Plano Nacional de Educação (PL 8035/10).


O deputado defendeu a aprovação do destaque, que retirou a ideologia do gênero do texto-base aprovado nesta terça-feira (22). “Fomos duramente atacados sob a alegação de que somos contra o Plano Nacional da Educação. Quero esclarecer que isto não é verdade. Fomos a favor de todas as metas e diretrizes contidas no Plano, que certamente melhorarão a educação no nosso país. Mas não poderíamos compactuar com a introdução da ideologia de gênero na educação brasileira por se tratar de questão inerente e pessoal do individuo, não cabendo ao Estado regular tais condutas”, acrescentou.


Segundo o deputado, a ideologia de gênero iria substituir o uso corrente de palavra “sexo” e acabar com a identidade sexual biológica masculina e feminina. “Se estes novos conceitos fossem introduzidos na legislação, isto acarretaria a total permissividade sexual. A instituição familiar passaria a ser vista como uma categoria “opressora” diante dos gêneros novos e inventados, como a homossexualidade, bissexualidade, transexualidade e outros”, explicou.


Bulhões esclareceu que o PNE é uma medida orientadora de como deve ser conduzida a educação no Brasil nos dez anos seguintes à sua aprovação. De acordo com o parlamentar, para estes “novos gêneros” serem protegidos contra a discriminação da instituição familiar, kits gays, bissexuais, transexuais e outros poderiam tornar-se obrigatórios nas escolas sob o rótulo promoção da igualdade de gênero. “Somos radicalmente contra esta política de desconstrução de sexo”, acrescentou ao proferir seu voto.

Matéria: Mônica Donato
Fotos: Douglas Gomes


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: Quinta-feira, 24 de abril de 2014.


3 comentários:

  1. eu nunca vi um justo desamparado e nem a sua descendencia a mendigar o pão .
    e foi exatamente isto que aconteceu , a justiça prevaleceu e a vitoria veio junto .
    BISPO QUE O SENHOR JESUS SEJA COM O SENHOR TODOS OS DIAS DA TUA VIDA .
    OBRIGADO POR LUTAR PELO POVO DE DEUS E PELA FAMILIA.

    ResponderExcluir
  2. O senhor não sabe o que é gênero. Aqui está a prova, no seu próprio texto: "A instituição familiar passaria a ser vista como uma categoria 'opressora' diante dos gêneros novos e inventados, como a homossexualidade, bissexualidade, transexualidade e outros'", explicou. Homossexualidade e bissexualidade são orientações sexuais; transexualidade não é um gênero - embora discutir transexualidade tenha que ver com gênero. Ademais, nada disso foi 'inventado' - homos, bis e trans existem desde que a espécie humana se constituiu enquanto tal, só que não são mais condenados como eram à época bíblica. O senhor é um canalha que sabe que gente ignorante vai pagar por aquilo que julgam ser a família e deus. Canalha, mentiroso, só quer o dinheiro do povo. O senhor é um falso profeta, um mercador do templo. Não mereceria de Cristo mais que algumas chicotadas.

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus como se engana Tagg ainda continua sim sendo condenados e sim biblicamente porque a Biblia e a palavra de Deus quer vc queiram ou não porque Deus não mudou ele mesmo de ontem , hoje e serà para todo sempre se vc acha que Deus concorda com esses absurdos ou "Abominações" como esta escrito na Biblia leia pq Sodomo e Gomorra foi destruida e não venha dar uma de esperto(a) tentando desnortear o que vai lê. Que Deus te perdoe e ilumine sua mente tirando essa enganação e me PERDOE TAMBEM POIS TODOS PRECISAMOS DE PERDÃO TODOS OS DIAS MAS A VERDADE TEM DE SER DITA DOA A QUEM DOER. Nunca esqueça para Deus essas atitudes ou escolhas não simples pecados são abominações. Ah! Não vou colocar onde esta escrito creio que vc deve ser inteligente o bastante para procurar e achar.

    ResponderExcluir