sábado, 12 de outubro de 2013

CASAMENTO E CONSUMISMO


A Emenda Constitucional 66 acabou com a possibilidade de optar pela separação judicial do casal que não deseja viver uma sociedade conjugal.

Ocorre que o novo dispositivo apenas derroga o prazo necessário para o divórcio. Dizer que a consequência da norma é o fim da separação judicial mais parece uma estratégia ideológica com o objetivo de atingir a família.

Primeiramente os casais terminariam a sociedade conjugal, pondo fim aos deveres da coabitação, da fidelidade recíproca e do regime de bens, mas não poderiam contrair novas núpcias. Claro está que o intervalo da lei anterior significava permitir ao casal um tempo para repensar a relação, sem ter o rompimento pleno. Depois viria o divórcio, quando o casamento chegaria ao completo fim.




A interpretação ideológica da nova lei do divórcio irá permitir que a pessoa ponha fim à relação matrimonial e no mesmo dia contrair novas núpcias no mesmo cartório. O casamento seria realizado na modalidade DRIVE THRU.

Família é fonte de estabilidade pessoal e ainda o meio fundante de uma sociedade saudável.

Se os políticos e os juristas se preocupam com o desenvolvimento social, devem considerar que a soma de pequenas decisões que fragilizam a família podem levar ao esfacelamento do tecido social.

        
Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: Sábado, 12 de Outubro de 2013.



Nenhum comentário:

Postar um comentário