sexta-feira, 1 de março de 2013


UM CÍRCULO VIRTUOSO


Houve um tempo em que cedo se aprendia a respeitar as autoridades. Tudo começava em família. Respeito aos pais, aos mais velhos e a todos aqueles que nos circundavam.

As escolas encarregavam-se de aprimorar esse trato. Professores das disciplinas transmitiam a moral vigente, assim como tinham clareza daquilo que deviam orientar.


Jogava-se botão, futebol, pega-pega, esconde-esconde etc. Iniciava-se a sociabilização no seio comunitário. Aprendia-se a ser gente na tríade família-escola-comunidade.

Agora, a comunidade é domínio complexo, pois há mais afastamento do que aproximação entre as pessoas. Viver isolado e manipular as redes sociais é o supremo querer das crianças e adolescentes. Um mundo particular, alheio ao contato real e repleto de inseguranças. Que adultos serão esses jovens?


Hoje, os pais exigem que a escola eduque integralmente a criança. Tentam passar toda a responsabilidade deles para os professores. Os colégios e educandários disseram não. Essa atribuição é complementar e os elementos da tríade acima são os responsáveis por construir o ser de amanhã.

O que se quer é um círculo virtuoso ético-moral, onde a família seja a base, a escola o meio e a comunidade a finalidade maior para se viver.


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: Sexta, 01 de Março de 2013.


Nenhum comentário:

Postar um comentário