sexta-feira, 28 de setembro de 2012


MATURIDADE IDEOLÓGICA



Meus caros amigos, o Brasil, ao que tudo indica, entrará numa nova fase do desenvolvimento. O Governo da Presidente Dilma anunciou um plano estratégico para impulsionar a produtividade brasileira.

O que chama atenção é que a estratégia agora está direcionada para as empresas privadas.

Os pessimistas entenderam que ela jogou a toalha para o capital. Os otimistas têm fé que isso é o inicio de uma Revolução Cultural das mentalidades dirigentes do Brasil. Devem pensar estes: algo está mudando no país.


O plano revolucionário demonstra que a desconfiança com o capitalismo está diminuindo em um governo, que outrora responsabilizava o sistema que está aí no Brasil pelo atraso.

A presidente reuniu os pesos pesados do empresariado nacional para saber deles quais os problemas que dificultam os seus negócios. Ouviu que a produtividade brasileira aumentaria substancialmente se o governo aperfeiçoasse a infraestrutura, racionalizasse a carga tributária e desse atenção vigorosa no câmbio.

A presidente parece ter percebido que o Brasil não mais pode ser reconhecido como o país do voo de galinha, que não tem autonomia para ficar muito tempo no ar. Para ter um crescimento sustentável não pode depender apenas de planos governamentais.

Aí está a maturidade ideológica. Entender que a sociedade é uma reunião de pessoas, com as mais diferentes habilidades e gostos, e que mesmo um sábio não é capaz de satisfazer a todos. A Presidente, ao chamar os empresários para ouvir o que poderia fazer para melhorar os seus negócios transmitiu a ideia de um governo colaborador com as diversas iniciativas. Essa é uma compreensão moderna do que seria uma democracia.

Democracia não estaria limitada aos períodos de votação. Democracia alcançaria a liberdade de todos em querer participar da vida da sociedade, seja no desenvolvimento econômico, seja no cultural.


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça, 28 de Setembro de 2012 às 15:18

terça-feira, 18 de setembro de 2012


ESTUDAR AS ESCRITURAS




A Bíblia não é um manual, mas a vontade revelada de Deus para nossa vida. Ao estudarmos a Escritura, descobrimos como Deus vê o mundo e qual nosso papel enquanto vivemos aqui.


Nenhum outro livro é tão magnífico quanto a Bíblia. Ela é uma compilação de 66 livros escritos em três línguas por cerca de 40 autores durante um período de aproximadamente 1.500 anos.

Quando juntamos tudo isso, porém, temos uma única história humana. Nenhum texto contradiz outro, e todos se completam.

A Bíblia conta a história do Deus Criador e do homem criatura, do amor de Deus por nós e seu desejo de ter comunhão conosco, do modo pelo qual providenciou para que fôssemos resgatados de nossos pecados e recebidos como filhos de Deus.

Não há outro livro que mereça mais atenção do que a Bíblia ou ofereça mais esperança para a vida.



Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça, 18 de Setembro de 2012 às 11:15

quinta-feira, 13 de setembro de 2012


LUZ PARA OS MEUS CAMINHOS




Muitos cristãos têm, às vezes, numerosos problemas.

Se estes fossem meramente problemas exteriores, não seriam tão importantes. Mas a maioria deles expõe as trevas interiores e a falta de clareza espiritual, e isto não deve ser tratado de qualquer maneira.

Cremos que não é a vontade de Deus que constantemente tenhamos problemas interiores; Deus não nos quer ver permanecer em trevas.

O Salmo 119:130 diz: “A revelação das tuas palavras esclarece, e dá entendimento aos simples”.


Quando a palavra de Deus entra em você, ela faz a luz brilhar, e nós teremos entendimento para resolver todos os nossos problemas interiores. Assim, saberemos o que é certo e o que é errado.

Ninguém pode esperar discernir a diferença entre o bem e o mal simplesmente questionando-se interiormente. Quanto mais fizermos assim, mais problemas surgirão e maior a escuridão se tornará.

Um problema dará origem a dez problemas e dez problemas a cem outros, de forma que eles não terão fim.

A Palavra de Deus deseja brilhar em nós. Então, e somente então, nós podemos conhecer a Deus e identificar o caminho no qual devemos andar.



Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quinta, 13 de Setembro de 2012 às 12:42

domingo, 9 de setembro de 2012


O TERMÔMETRO DO CASAMENTO



Somos levados a crer pelas novelas, filmes e muitos livros e artigos de revista sobre amor e sexo que: “Se o sexo é bom em seu casamento, então seu casamento é excelente”. Porém, o sexo nada mais é do que “um termômetro sensível que nos dá a temperatura de um casamento.”

Creio que, se outros aspectos do casamento são excelentes, o sexo será provavelmente expressivo e satisfatório, e até mesmo excitante.


Isto é, se ambos, marido e mulher, têm um profundo senso de serem mutuamente amados, aceitos e apreciados, há pouca dúvida de que sua vida sexual será uma experiência agradável e satisfatória. Se os cônjuges estão se comunicando bem em outros aspectos de seu casamento, sua comunicação sexual está praticamente garantida.

A relação sexual estabelece o que a Bíblia apresenta como se tornar “uma só carne”. Esta não é uma união casual ou simplesmente uma união de dois corpos.

Cada um de nós traz seu corpo, mas também sua alma, espírito e mente. E quando duas pessoas se doam mutuamente na privacidade e santidade deste laço matrimonial, sua união é mais do que meramente corpo com corpo. É a profunda junção de mente com mente, coração com coração e alma com alma.


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: domingo, 09 de Setembro de 2012 às 07:35

quinta-feira, 6 de setembro de 2012


A PLENITUDE DO ESPÍRITO SANTO



Por que precisamos da plenitude do Espírito Santo?

Porque somente com o Espírito Santo recebemos o poder de testemunhar acerca de Cristo e viver uma vida que glorifique a Deus (Atos 1.8).


Não podemos glorificar a Deus com a força da carne.

Este era o desespero do apóstolo Paulo em Romanos 7.19: “Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço”.

Mas no poder do Espírito Santo nós podemos viver uma vida de renúncia da própria vontade, de maneira que glorifique a Deus cada vez mais.

O Deus-Espírito Santo nos dá poder com um propósito: ajudar-nos a glorificar a Deus em cada dimensão da nossa vida.

O Espírito Santo habitando dentro de nós, coloca à nossa disposição recursos ilimitados, porém, ele somente liberará o poder que usaremos ou necessitaremos. Infelizmente muitos cristãos oram por poder sem a intenção de usá-lo.

Eu acho que para nós, cristãos, é perda de tempo procurar poder se não intencionamos usar: poder de oração, sem orar; poder para falar de Cristo, sem fazê-lo; poder para ter a salvação, sem tentar viver uma vida de santidade; poder para o serviço, sem servir.


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quarta, 06 de Setembro de 2012 às 08:45