terça-feira, 29 de maio de 2012


ONDA CONSERVADORA



Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro ou do padeiro que esperamos nosso jantar, mas da consideração que eles têm pelo seu próprio interesse.

Uma frase que me orienta sobre como procedem as empresas capitalistas é de Adam Smith, quando diz que o açougueiro, ao expor carnes apetitosas e sadias, não está preocupado com a nutrição da população: ele quer ganhar dinheiro. Para isso, precisa servir um produto de qualidade, pois do contrário perde clientela e dinheiro. É preciso satisfazer o cliente que sempre tem razão.

Foi esse achado de Adam Smith que me fez pensar sobre o porquê da TV Globo destacar a Marcha para Jesus no dia 19 de maio, se nunca antes tinha dado importância para a fé evangélica de parte da população. Se toda empresa capitalista quer ganhar dinheiro, buscando satisfazer os interesses de seus clientes, a Globo deve estar percebendo que os clientes dela estão embarcando em outra onda, cujos valores a população cristã advoga.


Todos sabem que, há tempos, a emissora platinada destaca o progressismo como sendo o modelo moderno de conduta para a sociedade. Se o objetivo é ganhar dinheiro, como dizia Adam Smith, era possível que o destaque ao comportamento progressista fosse a estratégia de trabalho para a manutenção dos lucros.

Mas agora, parece que o tema para o lucro está cambiando. As últimas novelas alcançaram altos índices de audiência quando valores tradicionais do trabalho e da família foram o enredo central do drama.

“...A Marcha dos Cristãos também se propõe a ressaltar temas que lhes são caros, como a Liberdade de Expressão, a Liberdade Religiosa, a Vida e a Família Tradicional.”

Como as grandes empresas se utilizam de um sistema que cataloga os comentários dos clientes, é possível que alguns indicadores  produzidos indiquem uma nova razão da classe média que surge.
Poderíamos apontar o reflorescimento dos valores tradicionais nessa nova classe média?

A nova classe média produziu a marcha dos 300 mil cristãos pelas ruas do Rio de Janeiro, enquanto a marcha progressista para a liberação da maconha reuniu pouco mais de 200 pessoas em São Paulo. A Marcha dos Cristãos, além de aglutinar a multidão sob a bandeira dos princípios religiosos, também se propôs a ressaltar para o Governo temas que lhes são caros, como a Liberdade de Expressão, a Liberdade Religiosa, a Vida e a Família Tradicional.

Essa onda conservadora indica que veio para marcar a sociedade, porque parece acompanhar a ascensão social da população que acredita no trabalho como meio de progresso.


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça, 29 de Maio de 2012 às 20:35


Nenhum comentário:

Postar um comentário