terça-feira, 30 de agosto de 2016

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: terça-feira, 30 de agosto de 2016.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: segunda-feira, 29 de agosto de 2016.

domingo, 28 de agosto de 2016

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: domingo, 28 de agosto de 2016.

sábado, 27 de agosto de 2016

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sábado, 27 de agosto de 2016.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: sexta-feira, 26 de agosto de 2016.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016


O BRASIL QUE AVANÇA

Tivemos duas semanas de tensão no Brasil por causa dos Jogos Olímpicos. O dirigente do Comitê Olímpico Internacional declarou que foi uma Olimpíada com o jeito do Brasil. Disse depois do alívio que sentiu ao ver que a desconfiança que sentia sobre a nossa capacidade de realizar o planejado não era verdadeira.



“Não houve um jornal que não escrevesse fascinado com o espetáculo e a beleza dos jogos olímpicos. O mundo reconheceu a mudança de ambiente político e já projeta a volta do protagonismo brasileiro nas relações internacionais.”

Os estrangeiros ironizavam os jogos porque iriam competir em uma Baía da Guanabara coberta de lama. Alguns atletas ironizavam os jogos vestidos em trajes contra insetos, em alusão ao medo de serem contagiados com o vírus da Zica.

Os brasileiros também foram contaminados pelo pessimismo. Ficaram céticos de que a violência conhecida, do Rio de Janeiro, pudesse ser controlada e que contaminasse o espírito olímpico amistoso das competições.

Os governos dos atletas também ficaram alertas sobre a capacidade do governo brasileiro de prevenir um ataque dos terroristas islâmicos, que vêm assombrando o mundo.

Como em toda a recepção, houve ajustes de última hora que não desmereceram a organização. Os problemas pontuais da Vila Olímpica foram corrigidos a tempo e os atletas desfrutaram de uma arquitetura que combinou natureza e serviços urbanos. Até o problema crítico da mobilidade no Rio de Janeiro foi melhorado.

Não podemos exigir de nós a perfeição, porque somos humanos e trazemos dentro de nós muita emoção. Todo esse sentimento foi antecipado ao mundo pela cerimônia de abertura dos jogos. Não houve um jornal estrangeiro que não escrevesse fascinado com o espetáculo da alma brasileira apresentada no grande coliseu carioca.

Essa mistura de cultura que nos forma, de pessoas que aqui chegaram em variadas épocas, nos legou uma atitude perante a vida de sempre buscar o melhor.

Temos também um grande mercado atrativo ao investimento. Para isso precisamos recuperar a confiança dos empreendedores. São eles que criam riqueza.

Neste momento da nossa história, saberemos aproveitar o legado do sucesso dos Jogos Olímpicos para voltar a sermos olhados como um País no limiar de entrar no futuro. O governo saberá demonstrar aos investidores que os compromissos assumidos são honrados.

Assim como a imprensa se surpreendeu com a beleza dos jogos, o mundo já reconheceu a mudança de ambiente político e já projeta a volta do protagonismo brasileiro nas relações internacionais.

Os Jogos Olímpicos foram pensados para afirmar a grandeza do Brasil perante o mundo. No aspecto de organização, provamos. Mas o que os jogos olímpicos trarão de volta é a afirmação de que o Brasil voltou a ser uma Nação responsável.

Por: Antonio Bulhões
Deputado Federal / PRB-SP


“Pão Nosso de Cada Dia...”


Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: quinta-feira, 25 de agosto de 2016.